Mensagem do Presidente › 11/06/2014

Senhor, eu quero ver de novo! (Lc 18,41)

ScreenShot148Os olhos são as janelas do nosso corpo, quando estes faltam, é preciso aguçar outros sentidos e assim permanecer abertos ao mundo que nos cerca. As pessoas que, começam a apresentar uma deficiência visual, têm de reaprender a viver. Aos poucos devem aguçar mais a audição, o tato, o olfato para compensar a falta da visão. Porém, não raro, pessoas com deficiência visual parecem “enxergar” mais que outros que dizem ter a visão perfeita. A visão é sempre seletiva, na verdade, enxergamos aquilo que queremos. O olhar corre em busca das imagens que, de alguma forma, já estão espelhadas dentro de nós. Por isso, diante de uma mesma situação, as reações, compreensões e visões são tão diferentes. Não é sem motivo que diante de uma mesma realidade a visão dos homens costuma ser diferentes da visão das mulheres e vice-versa. O episódio do cego de Jericó é uma demonstração de como a nossa visão é seletiva. Ele estava à beira do caminho, à vista de todos. Ao saber que Jesus estava passando, o cego começa a gritar. A multidão que vinha à frente, não foi capaz de enxergar a situação daquele homem, nem a fé que ele tinha. A multidão só viu alguém que incomodava o cortejo. Por isso, aquelas pessoas tentaram calar a sua voz. Porém aquele que tinha a deficiência visual, enxergava  pela fé e via em Jesus o remédio para os seus males. Da sua parte, Jesus, que tem seus sentidos voltados para os pobres e nescessitados, não dá ouvidos à multidão, mas ao homem que grita à beira do caminho. Jesus enxerga as necessidades dele, vê sua fé e pára para atendê-lo. “Que queres que eu te faça?’ Com esta pergunta Jesus permite aquele homem mostrar para si mesmo e para toda multidão a sua necessidade mais profunda. “Senhor, eu quero ver de novo!” Esta necessidade não era exclusividade daquele homem, era também uma necessidade daqueles outros que seguiam o cortejo com Jesus. Tanto que ao ser curado, o homem entra no cortejo junto com os outros, torna-se discípulo. E a multidão agora passava a enxergar melhor. É que não basta ter olhos para ver. Como nos recorda o “Pequeno Príncipe” do famoso escritor Exupéry, “Só se vê bem o que se vê com o coração”. A prece daquele homem deve ser a prece de cada um de nós no nosso dia-a-dia. Precisamos aprender a olhar as coisas, as pessoas e os acontecimentos com os olhos do coração, ou ainda, com os olhos de Deus. Procure fazer sua, a oração daquele homem; “Senhor, eu quero ver de novo!” Peça a graça de enxergar melhor a vida, o mundo, as pessoas e as situações à sua volta e agradeça a Deus por todas as graças que Ele tem derramado em sua vida. Salve Maria. Paulo Lúcio Alves
Tags:

Uma resposta para “Senhor, eu quero ver de novo! (Lc 18,41)”

  1. Andre Silva disse:

    Muitoo bom o artigo, acabei de deixar o site como favorito para sempre estar seguindo!!! Obrigado !!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Atendimento VEJA +

Sede: Praça Dr.Benedito Meireles, n°13 - Apt. 53 - Aparecida - SP Filial para correspondências: Rua Visconde de Inhaúma, n°134 - Salas: 316/317. Centro - Rio de Janeiro - RJ CEP: 20091-007 contato através do telefone 21 2263-3506 ou e-mail: contato@cncmb.org.br

Publicações VEJA +
Enquete
Congregados Marianos, estão gostando da nova revista Estrela do Mar?
Ver o resultado