Respice Stellam › 25/03/2012

Ladainhas Lauretanas

vito3As ladainhas que mais comumente são usadas após a reza do “terço” ou do Rosário são conhecidas como Ladainhas Lauretanas para dizer que correspondem às invocações utilizadas nas romarias realizadas a uma cidade italiana de nome Loreto. O nome de origem latina se refere a uma floresta de louros existente sobre uma colina desde a época romana na região italiana denominada Marcas e na atual província de Ancona. O que antes era um simples povoado chamado Lauredo e depois Loreto adquiriu fama mundial por um fato extraordinário ocorrido no dia 10 de dezembro de 1294 quando, proveniente da Croácia, os anjos deixaram naquele bosque de louros a Casa habitada por Nossa Senhora e onde Ela recebeu o anúncio da maternidade divina. Trata-se de três paredes: as duas laterais e a da frente, visto que a quarta consistia na rocha onde as outras se apoiavam. A feliz novidade espalhou-se rapidamente, dando início a numerosas peregrinações. Com o correr do tempo, uma série de súplicas a Nossa Senhora foi sendo composta pelos peregrinos que ali iam, os quais A invocavam por seus principais títulos de glória. Posteriormente essa ladainha era cantada diariamente no Santuário que fora erguido no lugar sob a forma de proteção da santa relíquia, e os peregrinos que de lá voltavam a popularizaram em todo o orbe católico. São as in vocações que hoje em dia chamamos de lauretanas por terem sua origem em Loreto. Várias invocações têm sido acrescentadas pelos Papas ao longo dos tempos, outras são agregadas para honrar a proteção de Nossa Senhora a alguma Ordem religiosa, como fazem os carmelitas, os quais rezam a ladainha lauretana carmelitana, com quatro invocações a mais. Mas o corpo central das ladainhas permanece o mesmo. Em seu início as invocações não se dirigem a Nossa Senhora, mas a Nosso Senhor e à Santíssima Trindade, pois dizemos Senhor, tende piedade de nós, Jesus Cristo, ouvi-nos, etc. Preparamos, com isso, nossos corações à devida humildade reconhecendo-nos pecadores e implorando o perdão para sermos menos indignos dos favores que vamos solicitar pela intercessão da Virgem Santa. Em seguida invocamos o Pai Eterno, o Filho e o Espírito Santo. Por quê? Porqueem Nossa Senhoratudo nos conduz a seu divino Filho, e por meio d’Ele à Santíssima Trindade, que é nosso fim último. Isto é, algo que os protestantes não entendem ou não querem entender: Maria Santíssima é o melhor caminho para se chegar a Deus. Feita esta introdução, a ladainha segue com três invocações, nas quais pronunciamos o nome da Virgem (Santa Maria) e lembramos dois de seus principais privilégios: o ser Mãe de Deus e Virgem das virgens. A seguir, há um grupo de 13 invocações para honrarmos a Maternidade Divina e outras seis para honrar sua Virgindade. Em seguida temos: 13 figuras simbólicas extraídas da Sagrada Escritura, quatro invocações de sua misericórdia e, finalmente, 12 invocações lembrando Sua soberania como Rainha gloriosa e poderosa. Para finalizar faz-se uso da tríplice invocação ao Cordeiro de Deus, de outra invocação a Maria e o Oremos final.
Vito Nunziante
Presidente da Região Norte – Federação Mariana do RJ
Congregação Mariana NS Auxiliadora e São João Bosco (Riachuelo)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Atendimento VEJA +

Sede: Praça Dr.Benedito Meireles, n°13 - Apt. 53 - Aparecida - SP Filial para correspondências: Rua Visconde de Inhaúma, n°134 - Salas: 316/317. Centro - Rio de Janeiro - RJ CEP: 20091-007 contato através do telefone 21 2263-3506 ou e-mail: contato@cncmb.org.br

Publicações VEJA +
Enquete
Congregados Marianos, estão gostando da nova revista Estrela do Mar?
Ver o resultado