Outras Vozes › 25/10/2015

Congregação Mariana em saída

foto1Na Exortação Evangelii gaudium, o papa Francisco, pede uma Igreja em saída, onde no “Ide...” de Jesus, todos somos chamados a sair do comodismo e evangelizar; ir as periferias, as pessoas que estão distantes do Evangelho. Neste artigo, o Papa exorta todos os batizados a 1)primeirear”; 2) envolver-se; 3) acompanhar; 4) frutificar e 5) festejar. São cinco verbos indicando ações, mostrando que a Palavra de Deus tem uma potencialidade, que não conseguimos prever, apontando um Deus, que toma a iniciativa com sua Palavra e precisamos nos envolver. Primeirear, ou seja, tomar a iniciativa, para que sejamos mais ousados. Sabemos, que a iniciativa primeira vem de Deus, Ele que nos ama primeiro, nos provoca, interpela, nos anima a missão. Assim, deve agir a Congregação Mariana. Mas, para primeirear há que ter compromisso, responsabilidade, engajamento, onde todos devem ser animados por uma liderança mariana, que sabe o que quer. A Congregação Mariana, se sentindo amada por Deus, age sem medo, vai ao encontro em busca dos afastados, chegam às encruzilhadas para convidar os excluídos. Grandes exemplos, como o da Obra da Fazenda da Esperança, com Frei Hans Stapel,OFM; também do Movimento Fé e Alegria, onde vale a leitura da obra “Eu, José María Vélaz,SJ”, que aponta enormes desafios nas encruzilhadas, no interior da Venezuela, e, hoje, a obra se espalha por diversos países, inclusive no Chad, na África. Ao tomar a iniciativa, precisamos ousar como Jesus Cristo, conforme narrado em Jo 13,17: “Sereis felizes se o puserdes em prática”. Ser caminheiro na fé, de modo especial quando atingimos os jovens, pensando na continuidade da obra. Primeirear, primeiro passo de um processo interior que nos coloca em saída. Mas, precisamos ir além, envolver-se. Envolver significa rodear, abraçar, cingir. E, Jesus, nos ensina como envolver-se, lavando os pés dos seus discípulos. Ficar de joelhos diante dos outros para lavá-los. Deste modo, com obras e gestos a Congregação Mariana missionária entra na vida dos outros, encurta as distâncias, abaixa-se, se humilha e assume a carne sofredora de Cristo no próximo. Diálogo, amizade, devem ser atitudes na vida dos discípulos de Jesus, pois, na alegria, o envolvimento se torna fecundo, gerando e formando Cristo nestes encontros. Mas, precisamos continuar, agora, com o acompanhamento. Acompanhar será estar ou ficar juntos, compartilhando as mesmas situações, ou seja, a Congregação Mariana evangelizadora precisa se dispor a acompanhar, mesmo que o processo seja duro ou demorado. Para frutificar há que se ter paciência e evitar considerar as comparações e limitações. Há que se ter misericórdia, fazendo chegar a todos a consolação e o estímulo ao amor de Deus. Muitas vezes, precisamos voltar, para resgatar aquele que ficou pelo caminho, como o Pai Misericordioso, que tem sempre portas abertas para aqueles que querem retornar, não criar dificuldades a estes que retornam. Nos trabalhos em outras culturas, sempre procurar, cuidar, fortalecer a riqueza que já existe. No caso de outras culturas, como os desafios hodiernos face às migrações de povos inteiros, há que se procurar novas formas de evangelização, mesmo que levem tempo elevado. De certa forma acompanhar é um aprendizado, pois aprendemos a ser pacientes e compreensivos com os outros, também nos habilita a encontrar as formas para despertar nestas pessoas, a confiança, a abertura e a vontade de crescer. Grandes desafios se abrem quando nos colocamos “em saída”, pois além de primeirear, envolver, acompanhar, pessoas que estão em situação muito dura, tais como, eminência de um aborto, guerras, catástrofes, drogas etc... Precisamos estar em constante oração, para não desanimar. Nesta hora, vale a intercessão de Maria, conforme narra o evangelho do Dia de Nossa Senhora Aparecida: “A Mãe de Jesus disse: Eles não tem mais vinho”. E quando nos colocamos “em saída” e vemos o estado destas pessoas, podemos implorar a Mãe e pedir que ela diga a Jesus: “Eles não tem mais Paz; mais amor; mais justiça”. Cabe a nós Povo de Deus, acompanhar para assim ver os frutos que hão de vir. Frutificar significa dar frutos, transformar-se em algo novo. Chegando neste ponto, após um longo período, e até estafante tempo de acompanhamento, vamos nos deparar com a alegria, sinal que o Evangelho foi anunciado e está a frutificar. Mas, precisamos caminhar sempre de novo, sempre mais além. Semear para frutificar. No meio do caminho, encontramos pedras, encontramos joio, mas não desanimamos, pois o verdadeiro congregado não desanima, sabe como enfrentar as reações de desânimo, de lástima, que irão surgir. O Jesus se martirizou, para nos redimir, agora já salvos precisamos fazer acontecer algo novo nos ambientes que frequentamos, e, que faltam à paz, a justiça, o amor. Devemos promover ações que geram novos dinamismos, comprometendo pessoas, para desenvolverem movimentos com convicções claras do que querem, buscando sempre levar o Reino, até nos ambientes políticos, como vivemos atualmente, lembrando que somos profetas, que anuncia e denuncia. Olhamos adiante, e não vemos o fim do túnel, mas o verdadeiro congregado não desanima, ele quer primeirear, ele quer se envolver, para acompanhar e fruticar. Mas, também quer festejar, não como aqueles que festejam com os atalhos da corrupção, à custa da miséria de muitos. Festejar é fazer festa, demonstrar alegria, comemorar, louvar, aplaudir. Por fim, toda Congregação Mariana precisa festejar as conquistas, pois no meio da exigência diária, fazer avançar o bem, será um júbilo. Há que se festejar, celebrar cada pequena vitória. Que a Congregação Mariana se renove, em saída, e cada qual neste imenso Povo de Deus, se sinta verdadeiro discípulo e missionário do Reino, com forte cheiro de ovelha. Pois, a missão da Igreja continua a missão de Cristo com todo o poder que o Pai Lhe deu. Jesus enviou os discípulos que levaram o Evangelho a todos os cantos da terra. E, quem vai a uma missão não retorna empobrecido e sim, enriquecido humana e espiritualmente. A missão continua! Eduardo L. Caridade - Departamento de Formação da CORERJ.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Atendimento VEJA +

Sede: Praça Dr.Benedito Meireles, n°13 - Apt. 53 - Aparecida - SP Filial para correspondências: Rua Visconde de Inhaúma, n°134 - Salas: 316/317. Centro - Rio de Janeiro - RJ CEP: 20091-007 contato através do telefone 21 2263-3506 ou e-mail: contato@cncmb.org.br

Publicações VEJA +
Enquete
Congregados Marianos, estão gostando da nova revista Estrela do Mar?
Ver o resultado