450 anos das CC.MM. › 27/02/2013

Advento das Congregações Marianas – Prima Primaria

CCMM1Após o contexto do século XVI, conforme artigo anterior, com as diversas mudanças que estavam ocorrendo no mundo, onde se destacaram a criação da Companhia de Jesus e o Advento do Concílio de Trento para renovar a Igreja perante a onda protestante, surge a primeira Congregação Mariana, fundada no Colégio Romano da Companhia de Jesus, em 1563, pelo Padre João Leunis,SJ, para os alunos desse colégio. Para isso foram concedidas indulgências e privilégios vários. Os Papas agregam para si Associações de fiéis, Movimentos e outras iniciativas para o bem da Igreja e com isto comunicam indulgências e privilégios. Agregam Congregações Marianas por serem devotos de Nossa Senhora. Daqueles que eram membros da Prima Primária, podemos citar o Papa Clemente X (…±1670), que Detinha fama de costumes sóbrios e de ser “incorruptível”; Papa Clemente XI (…±1721), pontífice da Conciliação, Viveu, entretanto, numa época ingrata, devido a guerra ocasionada pela disputa da coroa do falecido Carlos II da Espanha; Beato Pio IX (…±1878), que em 8 de dezembro de 1854, proclamou o dogma da Imaculada Conceição da Virgem Maria como sendo um dogma de fé da Igreja através da encíclica Ineffabilis DeusPapa Leão XIII (…±1903), escreveu a Rerum Novarum, a Carta Encíclica sobre as Condições dos Operários em 15 de maio de 1891. No entanto, o fundador da Congregação Mariana é diferente. Para nós, triste, talvez, dizer o nome do padre João Leunis,SJ, é simplesmente um nome e nada mais. Não vamos perguntar por que é. Cada um de nós pode encontrar uma resposta igualmente satisfatória. Suficiente dizer que é a ele que devemos a nossa identidade de congregados marianos, mas para ele, servir a Nossa Senhora na obscuridade era recompensa suficiente. Em 03 de maio de 1556, exatamente 7 anos antes da edificação da Primeira Congregação Mariana, João Leunis apresentou-se a Santo Inácio em Roma, buscando admissão na Companhia de Jesus. Cabe lembrar que Santo Inácio de Loyola veio a falecer no dia 31 de julho do mesmo ano. No Livro de Registro do Noviciado, consta que João Leunis Fleming, da Diocese de Liége (Bélgica), chegou para o noviciado em 18 de junho de 1556, foi examinada como um Indiferente, considerado livre de impedimento. Declarou-se pronto para tudo que lhe fosse proposto no exame. Trouxe com ele uma roupa nova de material branco grosseiro, uma camisa muito velha, um chapéu de feltro preto, já muito desgastado, um par de velhos sapatos rasgados de couro curtido e um pequeno livro de oração a Nossa Senhora. Com a morte de Santo Inácio em 31 de julho, a Congregação Geral reunida na mesma casa do noviciado, necessitou que transferisse João Leunis, para continuidade de seus estudos no noviciado, na cidade de Perugia (Itália), onde assumiu os estudos acadêmicos. Em 22 de maio de 1557, ele escreveu ao Secretário da Companhia de Jesus, solicitando para ser enviado em missão para a Índia, para continuar o trabalho missionário de São Francisco Xavier, que tinha morrido nas Ilhas Sanchoão (China) em 03 de dezembro de 1552. Mas não obteve sucesso. Na Perugia, provavelmente veio a conhecer os “grupos de devoção mariana“, cujos membros exercem “virtudes reais” e, são assíduos na Comunhão em dias de preceito, fazem agradecimento, passam uma hora em conversa piedosa e, recitam as “vésperas”, em grupo, realizam obras de caridade, como visita aos doentes; concedem esmola aos necessitados, dão hospitalidade aos peregrinos, reconciliam inimigos, estimulavam os negligentes e promoviam o culto divino. Foram advertidos de que “fariam progressos nos caminhos de Deus, na medida em que eles fugissem das ocasiões de pecado, estavam cheios do amor de Deus e de dedicação à Virgem Maria“. Em 04 de outubro de 1557, o reitor em Montepulciano (It), onde São Roberto Belarmino conheceu os jesuítas, recebeu notificação de que Leunis estava vindo para estudar e com a intenção de no próximo ano ser encaminhado para a Índia, como ele deseja. Em Montepulciano, Leunis se tornou procurador de casa por um tempo curto. Mas no início de 1559, foi enviado a Paris para os estudos superiores. Em meados de 1560, ele acompanhou cinco alunos enviados a Roma, onde lhe foi dado um cargo de professor no Colégio Romano. Por volta de 1561, ele é registrado como um dos professores de gramática e, em 1563, quando o Prima Primaria foi fundada, ele estava com 27 anos de idade e sete anos e meio na Companhia de Jesus e como recém-ordenado, agora é chamado de “pai” pela primeira vez. Após este tempo, Pe. Leunis retornou a Perugia (It) e, em 1567, foi nomeado prefeito da faculdade, em Paris (Fr), onde permaneceu por dois anos, fundou uma Congregação Mariana. Em 1569, transferido para a Faculdade de Billom (Fr), onde estabeleceu outra Congregação Mariana. Em 1572 em retorno a Paris, foi recomendado por São Francisco de Borja, para promover as Congregações Marianas naquela cidade. Em 1580, foi nomeado para Turim (It), onde se dedicou com muito carinho para com os pobres e os doentes. Pe. Leunis morreu em Turim, em 19 de novembro de 1584 com 48 anos de idade, excepcionalmente amado e estimado pelo povo, apenas 16 dias antes de sua Congregação Mariana do Colégio Romano ser nomeada, “Mãe e Cabeça” de todas as Congregações Marianas em todo o mundo pela Bula do Papa Gregório XIII “Omnipotentis Dei”, no dia 5 de dezembro.
Eduardo Caridade
Congregado mariano
Fonte: http://www.sodality.ie/ consulta em 01/12/2012.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Atendimento VEJA +

Sede: Praça Dr.Benedito Meireles, n°13 - Apt. 53 - Aparecida - SP Filial para correspondências: Rua Visconde de Inhaúma, n°134 - Salas: 316/317. Centro - Rio de Janeiro - RJ CEP: 20091-007 contato através do telefone 21 2263-3506 ou e-mail: contato@cncmb.org.br

Publicações VEJA +
Enquete
Congregados Marianos, estão gostando da nova revista Estrela do Mar?
Ver o resultado